Melhores motos de 2 tempos vendidas no Brasil

5 Melhores motos de 2 tempos do Brasil – Conheça elas aqui

Há anos que as motos de 2 tempos sumiram do mercado brasileiro de motos devido à normas de emissão, afinal apesar de sua potência estes modelos não eram conhecidos por sua eficiência e baixa emissão.

Exatamente, as motos de 2 tempos eram conhecidas por seu aroma de fumaça e óleo, a Yamaha principalmente ficou conhecida por fabricar motos que apesar de seus motores pequenos eram giradores, e por possuírem menos peças móveis permitiam modelos leves que competiam de igual para igual com motos maiores de concorrentes como a Honda.

Você também pode ver este conteúdo em vídeo em nosso canal.

Sem enrolar vamos abaixo com a nossa lista. 

5) Agrale Elefantre SXT 16.5

Esta foi a moto que mudou todo o paradigma do mercado de motos nos anos 80, quando sequer se pensava em arrefecimento liquido em motos, a marca de Caxias do Sul trouxe um modelo compacto , utilitário e que fornecia certa esportividade.

Melhores motos de 2 tempos vendidas no Brasil
A fabricante de implementos agrícolas do sul, Agrale revolucionou o mercado ao trazer as motos com a tecnologia da italiana Cagiva ao Brasil.

A Agrale SXT 16.5 tinha linhas modernas, em um mercado onde suas competidoras estavam acomodadas há anos, representando uma chance de roubar mercado da Yamaha DT 180, XLX 250 e Honda CG 125.

Em 1984 o ano de lançamento desta moto, o que gerava mais confusão inclusive era seu nome: 16.5 que fazia com que muita gente pensasse que era sua cilindrada, porém era sua potência seu motor era de 125 cilindradas, mas por ser de 2 tempos rendia bem. 

Apesar da Honda XL 250R possuir 22cv, ou seja quase 6 CV a mais, também pesava mais 129KG (peso seco de acordo com a Honda sem contar óleo e combustível), enquanto a pequena agrale pesava por volta dos 105Kg.

Pela primeira vez a Yamaha se viu ameaçada nas trilhas e no Off Road onde a Honda ainda não conseguia chegar e a DT 180 reinava. 

Porém a Agrale Elefantre 16.5está em 5º lugar pois apesar de toda sua revolução e durabilidade a moto de origem Italiana fabricada no Brasil teve uma vida curta no mercado e um número baixo de unidades vendidas, o que é bem comum no mercado de motos Brasileiro que se comporta de maneira binária sempre preferindo entre Honda e Yamaha.

 4)  Yamaha RX 180 

Muitos colocam esta como a primeira moto custom de baixa cilindrada do Brasil, afinal em outros momentos tivemos distribuição de marcas como Harley Davidson no Brasil, com passagens conturbadas e curtas.

RX 180 Custom
Com visual clássico a RX 180 foi a primeira custom de baixa cilindrada de relativo sucesso do mercado.

Isso mesmo hoje falamos de Suzuki Intruder, Dafra Kansas, Yamaha Virago, entre outros modelos que marcaram os anos 90 e 2000, porém a primeira a desbravar o mercado de custom de baixa cilindrada no Brasil foi a Yamaha RX 180.

A Yamaha RX 180 trazia o conhecido motor 2 tempos da Yamaha emprestado da família RD com  176,4cm³ e 17,6 CV, e um visual que tentava se aproximar dos modelos custom mais “estradeiros”, com o famoso “guidão chifrão”, tanque mais arredondado que já não era mais a “moda” nos anos 80. 

Seu foco seria o uso misto entre urbano e estrada, é um modelo que deixou muitos fãs, porém há essa altura o motor de 2 tempos já sofria com uma má fama de “quebrador”, isso porque na época os motores de 4 tempos das Hondas CG permitiam um “uso soviético” com menos cuidado.

Porém há histórias de pessoas que rodaram por anos com estas motos inclusive viajando, a Yamaha RX 180 está em 4º lugar nesta lista por ter sido a pioneira do mercado de motos custom de baixa cilindrada do Brasil.

3) Yamaha DT 180

Yamaha DT 180
Yamaha DT 180 o sonho de 10 em cada 10 trilheiros dos anos 80 e 90, muita potência e pouco peso.

A rainha das trilhas, a DT 180 mudou o paradigma do mercado nacional, diferente de sua antecessora a TT a DT se utilizava de um sistema suspensão monoshock, similar ao prolink da Honda, onde há um único amortecedor centralizado na moto.

Este sistema tornou a moto mais robusta e mais eficiente nas trilhas do que suas antecessoras, principalmente em localizações mais para o interior este modelo fez muito sucesso.

O motor da Yamaha DT 180 é conhecido por sua robustez, sendo um dos favoritos dos fãs dos motores de dois tempos, inclusive tendo sido utilizado por muito tempo em karts.

O que significa DT?

O DT significa Dirt Tracking, isso mesmo, existe uma lenda de que DT é dois tempos, mas o nome veio importado da linha norte americana da Yamaha.

2) Yamaha DT 200

Yamaha DT 200R
A Yamaha DT 200 é o sonho de consumo de toda uma geração, dominou competições de motocross e fez sucesso nos anos 90.

A Yamaha DT 200 é a evolução natural da DT 180, apesar de ambas terem convivido em simultâneo este modelo trouxe grandes evoluções como: arrefecimento liquido.

Vendida de 1994 até 2000 no Brasil esta moto contava com um motor de 25cv à 8500 2,1Kgfm de Torque a 8000RPM, porém sua maior vantagem era seu baixo peso de 110Kg o que fazia ela mais fácil no uso offroad que suas concorrentes da Família XLX e NX mais pesadas. 

1) Yamaha RD 350 a “Viúva Negra”

Yamaha RD 350 - Viúva Negra
Cercada de lendas, medos e mitos a RD 350 é uma daquelas motos que está no imaginário das pessoas.

Das motos dois tempos que passaram pelo Brasil a Yamaha RD 350 foi a que mais marcou os anos 70, 80 e 90, isso mesmo marcou três décadas, criou um mito na mente dos motociclistas de todo o país.

A RD 350 protagonizou o maior duelo Davi x Golias do mercado nacional de motos, afinal apesar de seu pequeno motor de 350cc e 2 cilindros conseguia bater de frente com a 4 cilindros CBX 750cc, conhecida como a “sete galo”.

Seu apelido de viúva negra veio por conta de sua grande potência, pouca capacidade de frenagem, e um pouco de falta de cautela de seus pilotos talvez um pouco de cada.

Nos anos 80 e 90 a Yamaha RD Passou por um Upgrade que permitiu que ela ficasse mais segura com sistema de discos duplos, sistema de suspensão por amortecedor central, carenagens e um motor arrefecido a liquido que fornecia 55cv a 8500RPM, mais que o suficiente para brigar com motos maiores devido aos seus 154kg. 

O que significa a sigla RD? 

A sigla RD significa: Race Developed, ou Desenvolvida para Corrida em uma tradução livre, muitas vezes traduzida também como Desenvolvida para Competição. 

Não atoa a família RD era conhecida por seus motores giradores e que proporcionavam velocidades elevadas.

Bônus: Yamaha RD 135.

Yamaha RD 135
Cercada de lendas, medos e mitos a RD 350 é uma daquelas motos que está no imaginário das pessoas.

Não que a RD 135 não seja uma excelente moto de 2 tempos, porém diferente de outras motos citadas aqui nesta lista este modelo trouxe poucas novidades ao chegar ao mercado, tendo revolucionado por seu design que acompanhava o fim dos anos 80 e 90. 

Porém a RD 135 rivalizava com motos maiores como a CBX 200 Strada da Honda, mesmo com cilindrada inferior, devido ao seu baixo peso dominou inúmeras arrancadas e inclusive seu motor foi muito utilizado para produção de karts.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.